“Tem todos os motivos para ser aprovada”, diz deputado sobre MP que auxilia empresas aéreas

“Tem todos os motivos para ser aprovada”, diz deputado sobre MP que auxilia empresas aéreas
Deputado Arthur Maia participou do 'Isso é Bahia'Divulgação

Com a pandemia do novo coronavírus, os aeroportos e empresas aéreas viram o movimento cair desde o mês de março. Com isso, existe uma expectativa de aprovação na Câmara dos Deputados da Medida Provisória nº 925/2020, que garante às empresas de aviação um auxílio financeiro do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

Em entrevista para o ‘Isso é Bahia’, da rádio A TARDE FM, nesta terça-feira, 7, o deputado federal e relator da MP, Arthur Maia (DEM-BA), disse que a MP “tem todos os motivos para ser aprovada na Câmara” e explicou que a medida tem objetivo de garantir que todos os outros setores envolvidos com o setor aéreo consigam sobreviver durante a crise gerada pela pandemia.

“Os aeroportos no Brasil foram privatizados e existem contratos dessas empresas, que venceram a concorrência, e estão neste momento sem ter receita porque não está embarcando praticamente ninguém”, explicou o deputado.

Segundo Arthur, este aporte vai fazer com que as empresas tenham fôlego maior no retorno das atividades, momento que os contratos com os funcionários serão restabelecidos.

“As empresas áreas fizeram um acordo com seus funcionários. Eles não demitiram, mas suspenderam contrato de trabalho em comum acordo. É bom que o funcionário sabe que vai voltar depois, mas é ruim que desde março estão sem salário”, avaliou Maia.

Quando questionado sobre as articulações políticas do DEM para conseguir a medida provisória, o parlamentar informou que, como relator, tem feito conversa com governos e vários partidos, além dos setores privados envolvidos na negociação.

Ainda segundo explicou o deputado, a verba da MP não faz parte do dinheiro dinheiro do Fundo Nacional de Aviação Civil (Fnac), que entraria com um “fundo que possa servir como uma garantia para estas operações de crédito, para atravessar o período de crise”.

O fundo é destinado a programas de gestão e manutenção aeroportuária, entre outros fins. A votação foi adiada para esta terça-feira, 7, a pedido do ministro da Economia Paulo Guedes, para que sua equipe pudesse negociar com o relator ajustes no texto.

De acordo com o deputado Arthur Maia, um dos pontos que mais preocupa Guedes é a liberação do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) para os aeroportos e aeroviários que estão, neste momento, sem receber salário.

Últimas Notícias

Leave a Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked with *