Movimentos sociais realizam ato em protesto às 330 mil vítimas do coronavírus

Movimentos sociais realizam ato em protesto às 330 mil vítimas do coronavírus
A ação será realizada no Morro do Cristo, na Barra, com a colocação de 330 cruzes. Foto: Divulgação ato

Movimentos sociais, centrais sindicais, frentes e organizações da sociedade civil irão realizar neste sábado, 3, às 9h, ato em protesto às mais de 330 mil vítimas do coronavírus no Brasil. A ação será realizada no Morro do Cristo, na Barra, com a colocação de 330 cruzes.

A ação faz parte das atividades da Campanha “Fora Bolsonaro” em Salvador e visa chamar à atenção para o número de mortes consequentes da condução da pandemia da Covid-19 pelo Governo Bolsonaro, incluindo atitudes do presidente que contrariaram as recomendações da Organização Mundial de Saúde (OMS), a falta de vacinas, a falta e redução do auxílio emergencial e o desemprego.

Entre as entidades participantes estão Frente Brasil Popular, Movimento Negro Unificado (MNU), Coordenação Nacional de Entidades Negras (CONEN), União Estadual dos Estudantes da Bahia (UEES), Associação de Grêmios e Estudantes de Salvador (AGES), Sindicato dos Trabalhadores Federais em Saúde, Trabalho, Previdência e Assistência Social da Bahia (SINDIPREV), Sindicato dos Petroleiros da Bahia (SINDIPETRO), Sindicato dos Trabalhadores em Água, Esgoto e Meio Ambiente da Bahia (SINDAE), Sindicato dos Professores das Instituições Federais de Ensino Superior da Bahia (APUB), Central Única dos Trabalhadores (CUT), partidos e outros movimentos e organizações da sociedade civil.

1 comment

Últimas Notícias

Leave a Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked with *

1 Comment

  • Aiac Trevor
    3 de abril de 2021, 09:12

    "Movimentos sociais, centrais sindicais, frentes e organizações da sociedade civil": as mesmas entidades que glorificam Lula.
    "Condução da pandemia da Covid-19 pelo Governo Bolsonaro": condução da prefeitura e governo do estado, nem uma notinha.
    "Redução do auxílio emergencial e o desemprego": No primeiro caso é simples, basta que o prefeito e o governador instituam um auxílio maior, ou complementem o que consideram baixo. No segundo caso, o desemprego foi causado pelo questionável lockdown decretado todos sabemos por quem…

    Deve dar uma meia dúzia de gatos pingados o evento, rs.

    REPLY