Máscaras cirúrgicas são eficazes para conter a Covid-19; lenços não, aponta estudo

Máscaras cirúrgicas são eficazes para conter a Covid-19; lenços não, aponta estudo
Descobertas foram publicadas na revista americana Science AdvancesFoto: Spencer Platt | Getty Images | AFP

AFP

Especialistas em saúde pública concluíram que as máscaras faciais são uma ferramenta fundamental para reduzir a disseminação do novo coronavírus, mas nem todas são igualmente eficazes, e algumas podem, até, ser contraproducentes. 

Um novo estudo classificou 14 tipos de máscara facial e descobriu que as médicas oferecem proteção significativamente maior contra a propagação de gotículas que podem transmitir o vírus do que as de algodão, enquanto os lenços de pescoço são quase inúteis.  

As descobertas, publicadas na revista americana Science Advances, têm implicações nas políticas públicas, principalmente em países como os Estados Unidos, onde autoridades incentivaram a população a usar máscaras de pano e deixar máscaras do tipo médico para os profissionais de saúde, porque as mesmas são escassas.

“Precisamos aumentar a produção e distribuição de máscaras cirúrgicas”, tuitou Tom Frieden, que foi diretor dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças durante o governo do presidente Barack Obama. 

As máscaras faciais são importantes porque de 30% a 40% das pessoas infectadas podem não apresentar sintomas, mas transmitem o vírus sem saber ao tossirem, espirrarem ou falarem. 

Para este estudo, divulgado em 7 de agosto, pesquisadores da Duke University, nos Estados Unidos, fizeram vários participantes mascarados falarem em uma sala escura na direção de um feixe de laser, enquanto a cena era filmada e as pessoas repetiam: “continuem saudáveis, pessoal” e ” cuidem-se”. O número de gotas que passaram pelo feixe foi analisado por computador.

– Qual é a melhor máscara? –

Sem surpresa, as máscaras N95 reservadas para funcionários de hospitais (o padrão americano equivalente ao FFP2 europeu) são as mais eficazes, reduzindo a transmissão de gotículas em mais de 99,9%, em comparação com não usar máscara. 

Máscaras de polipropileno ou cirúrgicas não ficaram muito atrás, reduzindo a transmissão de gotículas em 90% ou mais em comparação com aquelas sem correia de queixo. 

As máscaras faciais de algodão proporcionaram boa proteção, removendo 70-90% dos aerossóis normais de fala, dependendo do número de camadas e dobras. Mas os lenços apenas reduziram as gotas espalhadas em cerca de 50%. 

A pior das 14 máscaras testadas foi o lenço de pescoço, do tipo que os corredores usam: esse tecido aumentou o número de gotas expelidas, possivelmente porque o material ajudou a dispersar as gotas maiores em muitas outras menores.

As máscaras N-95, com válvulas redondas, projetadas para ambientes industriais onde a expiração do usuário é menos importante do que a inspiração, tiveram um desempenho semelhante ao das máscaras de algodão em termos de número de gotas transmitidas.

As autoridades de saúde têm desencorajado o uso de máscaras N-95 com válvulas, porque, apesar de elas protegerem o usuário, espalham mais facilmente o ar contaminado exalado por uma pessoa.

O coautor do estudo Eric Westman disse que esta informação já serviu para evitar a compra em massa de um tipo de máscara que ele e uma organização sem fins lucrativos local planejavam distribuir gratuitamente em Durham, Carolina do Norte, local da sede da universidade. “A noção de que ‘qualquer coisa é melhor do que nada’ mostrou-se falsa”, disse.

1 comment

Últimas Notícias

Leave a Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked with *

1 Comment

  • Aiac Trevor
    11 de agosto de 2020, 06:52

    Fiquemos no aguardo de algum estudo que prove que o isolamento social, como foi praticado, é eficaz contra a doença. Aparentemente, sua eficácia comprovada foi a de apavorar a população e destroçar a economia…

    REPLY