Grupo prioritário pode ficar sem segunda dose da vacina contra Covid-19, alertam infectologistas

Grupo prioritário pode ficar sem segunda dose da vacina contra Covid-19, alertam infectologistas
Preocupação é a de que governos locais decidiram usar toda a remessa da CoronaVac na primeira aplicação, sem garantia da segunda doseFoto: Natalia Kolesnikova | AFP

Integrantes do grupo prioritário para receber a primeira dose da CoronaVac, vacina contra a Covid-19, produzida pelo laboratório chinês Sinovac, em parceria com o Instituto Butantan, podem ficar ser a aplicação da segunda dose. Isso porque prefeituras e governos estaduais têm adotado critérios diferentes para a aplicação do imunizante.

Enquanto alguns governos locais decidiram racionar a vacina para garantir que todos do grupo prioritário recebam as duas doses dentro do prazo recomendado pelos laboratórios, outros optaram por usar toda a remessa já na primeira aplicação. A preocupação de infectologistas é a de que, mesmo com a liberação de um segundo lote da CoronaVac pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), podem faltar unidades para a segunda dose.

Para garantir a eficácia da vacinação, a segunda aplicação da vacina do Butantan deve ser feita em até 28 dias. Quem recebeu a primeira dose na segunda-feira, 18, por exemplo, deve tomar a segunda até 15 de fevereiro. O intervalo entre as duas doses de CoronaVac sugerido pelo Butantan é o limite máximo recomendado pela Anvisa para que a eficácia máxima da CoronaVac seja alcançada.

Últimas Notícias

Leave a Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked with *