Governo pede respeito à quarentena no Chile que supera 225.000 casos de COVID-19

Governo pede respeito à quarentena no Chile que supera 225.000 casos de COVID-19
Relatório diário oficial informou 4.475 novos casos e 226 óbitos nas últimas 24 horasFoto: Martin Bernetti | AFP

Por AFP

Autoridades de saúde do Chile fizeram um apelo à população nesta quinta-feira, 18, para que respeite a quarentena. A medida foi imposta em Santiago há um mês, com grande parte da economia em atividade, e em alguns municípios vigora desde a segunda quinzena de março.

O relatório diário oficial informou 4.475 novos casos e 226 óbitos nas últimas 24 horas, num total de 225.103 infectados e 3.841 mortes desde o primeiro caso relatado no país, em 3 de março. “Diminuir a mobilidade é essencial para reduzir a propagação do vírus e, obviamente, impedir seu avanço”, disse o ministro da Saúde, Enrique Paris, ao entregar o relatório. 

No último mês, não foi possível diminuir a mobilidade para além de 30% na capital chilena, onde vivem sete dos 18 milhões de habitantes do país. Para diminuir a taxa de infecção, a mobilidade deve ser reduzida em ao menos 50%, segundo especialistas. 

Normas flexíveis sobre a emissão de licenças de saída, autorização de operação para muitas empresas, o uso indevido de licenças e o atraso na entrega de auxílios estatais à população mais pobre contribuíram para a falta de adesão ao confinamento.

O último decreto, em 15 de maio, autorizou a atividade de 174.000 empresas, de um total de 427.000, o que gerou a circulação de quase 2,3 milhões de trabalhadores.

Os estabelecimentos em operação incluem laboratórios, farmácias, veterinários, bancos, empresas de correio e entrega, supermercados, padarias, fornecedores e lojas de ferragens, entre outros. Em Santiago, é possível encontrar três farmácias ou perfumarias em menos de 500 metros e durante a crise elas permaneceram abertas. 

O governo de direita de Sebastián Piñera anunciou esta semana novas medidas restritivas, como a redução de permissões de saída de cinco para duas por semana e o estabelecimento de uma autorização única de trabalho para funcionários públicos, serviços de alimentação e comércio essencial. 

Segundo um relatório das Forças Armadas, encarregadas de fiscalizar a quarentena, dos 2,5 milhões de controles de rua realizados na semana passada, apenas 0,5% das pessoas não tinham permissão para trabalhar.

Últimas Notícias

Leave a Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked with *