Funcionários denunciam condições de trabalho em terceirizada dos Correios durante pandemia

Funcionários denunciam condições de trabalho em terceirizada dos Correios durante pandemia
A Premier afirmou que foi fiscalizada pela Superintendência Regional do Trabalho (SRTE) e que não foi encontrada irregularidadesFoto: Reprodução

Funcionários da empresa Premier Logistics, que presta serviço terceirizado aos Correios, vêm denunciado por meio de aplicativos de mensagens a falta de condições de trabalho no Centro de Triagem de Cartas e Encomendas Salvador, na Região Metropolitana. Uma das reivindicações do grupo de trabalhadores é a disponibilização de equipamentos de proteção individual (EPI) contra o coronavírus.

“A empresa forneceu apenas uma máscara como EPI, que mal cabe no rosto dos funcionários e ainda mandou assinar um termo de responsabilidade, solicitando a devolução dessa máscara caso o funcionário seja demitido ou que o funcionário pague pela máscara caso perca”, relatou um prestador de serviço em contato com o Portal A TARDE.

De acordo com a denúncia, caso o trabalhador adoeça, ele precisa comprovar a enfermidade à terceirizada presencialmente. “A empresa ainda manda que todo mundo que estiver doente e de atestado vá até o escritório da sede para entregar os atestados pessoalmente. Eles não aceitam o envio pelo WhatsApp, expondo as pessoas na rua e até os funcionários que trabalham no escritório, fazendo com que a pessoa desrespeite as regras de isolamento”, contou em anonimato.

O outro lado

Procurada pela reportagem e questionada sobre a denúncia, a empresa Premier Logistics, por meio da assessoria de imprensa, pontuou que desde que foi declarada a pandemia pela Organização Mundial de Saúde (OMS), em março, que a entidade adotou medidas e alterações na rotina de trabalho para assegurar a segurança dos funcionários.

Além disso, a empresa afirmou oferecer luvas, máscaras e orientação aos funcionários sobre o uso e descarte. A Premier afirmou, ainda, que a equipe tem a temperatura do corpo monitorada ao entrar no local de trabalho, para evitar que alguém com sintomas tenha contato com outras pessoas.

Ainda conforme o esclarecimento, em caso de o funcionário apresentar sintomas, a empresa garantiu que ele é afastado e encaminhado ao serviço médico. A Premier também informou que foi fiscalizada pela Superintendência Regional do Trabalho (SRTE) e, segundo a assessoria, não foram encontradas irregularidades.

2 comments

Últimas Notícias

Leave a Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked with *

2 Comments

  • Luiz
    2 de junho de 2020, 17:17

    É mentira, É mentira. Viva o capitalismo e a corrupção. Só no Brasil.

    REPLY
  • Flávia
    3 de junho de 2020, 11:11

    Gostaria de saber qual é a orientação dos órgãos de Saúde, quando um funcionário se contamina, seja ele de qualquer empresa?
    Até onde sei é isolamento e exame em todos que tiveram algum tipo de contato com essa pessoa.
    Nos Correios tem vários casos confirmados, empregados internados, até a gerente do turno 2 ficou afastada, porém está já retornou e está trabalhando como se nada tivesse acontecido. Na Premier da mesma forma vários casos confirmados.
    Porém não teve testes nem isolamento para as pessoas que tiveram e continuam tendo contato com essas pessoas.
    Salve-se quem puder. não tem nada de irregular nos Correios da via Parafuso. CEE.

    REPLY